segunda-feira, 5 de março de 2007

Alta Fidelidade- o disco compacto

Quando a Sony apresentou ao público comprador, o seu primeiro leitor de cd´s, o CDP-101, no início de 1983, várias revistas de alta fidelidade, testaram as suas capacidades inovadoras, apresentadas como uma revolução na tecnologia da reprodução sonora.


Uma dessas revistas, a americana High Fidelity, em Janeiro de 1983, reuniu uma naipe de críticos de música da revista, para audição atenta dos primeiros cd´s aparecidos no mercado, comparando-os com a respectiva versão em LP.
No caso, ouviram, em comparação a/b, os discos de Billy Joel, 52nd Street; Bridge Over troubled water, de Simon & Garfunkel e One on One de Earl Klugh e Bob James. Os discos transpunham para gravação digital, pistas gravadas analogicamente.

Os resultados, ficaram escritos nas imagens que seguem.






As capas da Rolling Stone

Esta é a capa original da revista Rolling Stone, de onde foi retirada a imagem da publicidade ao LP Gaucho, dos Steely Dan. Esta capa, com scanner da original( o scanner A4 não abrange toda a área da capa em formato mais largo), foi a vencedora do lote de 40 capas que em 2005 ganhou a competição sobre as melhores capas de revista dos últimos 40 anos. Fotografada por Annie Leibowitz, autora de muitas fotografias da revista, nos anos oitenta.
Podem ver-se por aqui, as restantes 40 capas e pode ver-se também a diferença de cor entre a imagem acima e a colocada no site em referência, com tonalidade mais escura. Esta última imagem foi retirada, quase de certeza do livro de recolha de imagens das capas da Rolling Stone, publicado em 1998, pela Rolling Stone Press. Aliás, a imagem apresenta as mesmas deficiências de cor, da original, como se nota nos pormenores descoloridos, idênticos aos da imagem publicada no referido livro.

Não obstante a qualidade das escolhas, outras seriam possíveis. Por exemplo, só neste quadro, há várias e do mesmo ano - 1974:

Outras capas, de outras revistas se lhes poderiam juntar. Outras virão, então.

domingo, 4 de março de 2007

Steely Dan - Gaucho em SACD

(...)

Ora bem…o engate do bar acaba em casa, apesar da vontade da visada, convencida a ouvir a nova musiquinha do disco recente e que lembra a música do bar de tal modo que ela nem repara muito bem na mudança de ambiente.
A música afasta-se, vazia e inútil, enquanto se aperta o joelhinho da cúmplice, cada vez mais perto, e com a orelhinha lentamente, lentamente, cada vez mais próxima da mordidela, quando…
“Acabou!” Diz ela, a contemplar o copo cheio, onde marina um cubo de gelo prisioneiro, e com um recuo, admirado…Ah, sim! O disco! Rápido, voo para o prato cromado, e um saxofone de gritos lança o tema de “Gaucho”…Os malandros atacam! Ei-la de novo bem desperta, atenta…Mas não, as palavras embalam-na e, em langor, de cabeça apoiada neste ombro, distraída do movimento que lhe descobre as coxas bronzeadas a cantarolar o refrão com o coro, da-du-didididadaaaaa, pensamos então que Steely Dan é um grande grupo e que os seus detractores…P´eraí! Tocaram! A esta hora? Não…quem é que poderá ser? Ah! Ah! Era apenas Donald Fagen a tactear as persussões! Aaaaaaaahh! Quando o órgão manhoso de “My Rival” se lança na luta corpo a corpo com a sonoridade viva e brincalhona da guitarra, retiramos numa toada muito reggae, a minúscula peça de roupa interior que cai até aos tornozelos finos da donzela…e para o fim de “Third World man”, não haverá muito mais a fazer…virar o disco e tocar o mesmo ou tocar o disco e virar ao mesmo, tudo sendo de novo possível! Obrigado, Walter Becker, obrigado Donald Fagen. Álbuns assim, deste classe, e deste calibre utilitário, gostaríamos de ouvir e comprar mais vezes.E quando isto digo, sei que os velhos cotas rezingam. Mas as moças compreendem.

Este excerto da crónica de discos, assinada por Phillipe Manoeuvre, na Rock & Folk, de Janeiro de 1981, segue um estilo de escrita que pouco ou nada tem de musical e resvala nos esteiros de outras leiras. Contudo, foi essa crónica que me ficou na memória, como exemplo do modo original de criticar discos de música popular. No caso, Gaucho, dos Steely Dan
Este disco de Steely Dan, Gaucho, saído no final de 1980, na mesma altura do assassinato de John Lennon, marcou a continuidade do disco anterior Aja, gravado em 1977.
A música dos Steely Dan, começou a interessar-me no final dos setenta, com a audição repetida de Do it again, do LP de 1972, Can´t buy a thrill ou eventualmente Bodhisattva, do Lp seguinte, Countdown to ecstasy, de 1973. As canções, eram temas obrigatórios de recolhas como o Greatest Hits saído em 1978. Como aliás o era o tema Reeling in the years, do mesmo primeiro LP que lembro de passar na rádio em 1979 e lembro como o tema que me relançou o interesse antigo mas presente na música do Dan.
A canção Reeling in the years, um corridinho sobre o tempo que passa sem apelo nem agravo, contém um solo de guitarra que fixa a atenção que quem ouve solos de sempre, de Hendrix, passando por Townshend e Clapton, até chegar a Eddie Van Halen.
Durante uns segundos breves, a guitarra soa e sincopada e nessa altura nem sabia quem a fizera assim soar, mas o nome de Elliot Randall, não tinha eco no coro dos guitarristas conhecidos, apesar de mercenário das sessões de gravação em estúdio.
Foi com o eco desse solo que me despertei para a sonoridade que aparecia logo em 1979, ao ouvir Aja, gravado dois anos antes. O disco de capa preta e fita vermelha e branca, deixa entrever o som de gravação de luxo, digna do rádio FM e foi aí que passei a ouvir os primeiros acordes de piano, vibrafone e baixo ronronante da canção que afinava com sininhos a voz de Donald Fagen a falar em angular banjos, rematada com um solo de sax de Wayne Shorter. Descobri mais tarde que só guitarristas eram sete: Larry Carlton, Walter Becker, Denny Dias, Jay Graydon, Steve Khan, Dean Parks, Lee Ritenour. Ainda mais recentemente, através de um dvd, descobri o modo de gravação e a técnica de perfeccionismo da dupla, com os depoimentos dos músicos.
A repetição sonora desse tipo de experiências, aliado à vontade de ouvir sonoridades bem gravadas, mesmo em rádio FM, levou-me à curiosidade em descobrir o som que se seguiu. Animado pela releitura de um artigo assinado pelo grande Philipe Garnier, quando saiu Gaucho, o LP que me traz a este texto, já estava conquistado para a sonoridade dos Steely Dan. Foi sem surpresa que ouvi o tema do título, puxado logo a saxofone swingante que passava com frequência na rádio da época.
Contudo, o tema fetiche, ouvido repetidas vezes, só meses depois se tornou a gravação preferida: Third World man é o último tema do último disco dos Steely Dan na década de oitenta e foi com alguma ânsia musical que esperei a repetição da sonoridade do tema que trata do pequeno drama do rapaz pequeno burguês urbano, convertido às delícias do delírio romântico da revolução terceiro-mundista. A musicalidade do tema, no entanto, com predominância de teclados cheios de som, intercala pequenos solos de guitarra que sendo da autoria de Larry Carlton, também misturam sonoridades que soube depois, tratar-se da Strato de Mark Knopfler, obrigado a repetir vezes sem conta, em estúdio, pequenos fraseados que passam despercebidos ao ouvido desatento e sem significado no disco, com excepção para Time out of mind.
A musiquita fixou amarras no ouvido e só obteve algum lenitivo quando descobriu uma emulação anterior e publicada no LP de 1978, Greatest Hits. O tema Here at the Western World, composto em meados dos setenta, na altura de Katy Lied, Royal Scam ou mesmo Pretzel Logic (74), só saiu nesse disco, ficando escondido dos ouvidos até aos primeiros anos dos oitenta. Contudo, aparece na minha lista curta de músicas dos Steely Dan que apesar disso comporta ainda mais de uma dúzia.
Na sequência dessas descobertas, acabei por ouvir toda a discografia, com destaque para o LP Pretzel Logic, de 1974, acústico qb e com belíssimas canções que nunca passaram de moda na minha juke box particular. Rikki don´t lose that number, Any major dude will tell you, Barrytown e East st. Louis toodle-oo, com um solo de guitarra de imitação de trompete com surdina ( a composição é de Louis Armstrong e a guitarra procura a imitação perfeita do solo de trompete), Pretzel Logic rodou horas e horas no prato do gira discos, na rodela de prensagem espanhola, tal como os demais, aliás, porque as esdições nacionais há muito se tinham esgotado e o cd só apareceu como novidade, na segunda metade dos oitenta, e em força, verdadeiramente, já nos noventa.
O LP Gaucho foi assim subsistindo na discoteca, em formato sucessivo e em acumulação.
Primeiro no LP da prensagem espanhola, de 1980, da Ariola-Euridisc, sem as letras das canções; depois, o LP na reedição alemã, da Record Service GmbH, já com letras impressas na capa interior.
A seguir, no CD primitivo de 1984, a que se juntou a colectânea de finais de 1993, Citizen Steely Dan, em CD e ainda o CD dourado da Mobile Fidelity. Finalmente, em tempos mais recentes, a verdadeira obra de arte da reprodução sonora que é a prensagem em SACD, do disco original, para audição em multicanal, mas com aproveitamento para o stereo tradicional. A audição desta última versão do disco, recoloca a memória sonora do que deve ser um disco como Gaucho de Steely Dan. Ou Aja, também.
Estes dois discos, produzidos pelo engenheiro de som Roger Nichols , figuraram sempre como referências da arte de gravar sons e foi por isso que sempre actualizei os formatos, até chegar a este último, em SACD ou em DVD-Audio que representam o actual nec plus ultra, da tecnologia.
A experiência em ouvir Gaucho, mesmo em stereo, em SACD, é semelhante à de ouvir novamente Harvest de Neil Young em DVD-Audio ou Hotel California dos Eagles, também em DVD-Audio: é a recuperação da memória sonora original, com a menor perda possível do sinal sonoro óptimo, para ouvidos exigentes, longe do som comprimido do mp3. A comparação de sonoridades, entre o LP original, o cd inicial, mesmo o cd da Mobile Fidelity, dourado e gravado a a partir de masters originais, ficam a dever algo a esta versão em SACD que não cansa ouvir.
A polémica sobre a qualidade sonora dos diversos suportes, comparativa, foi exercício que desde cedo se praticou.
A revista americana High Fidelity, logo que foi anunciado o cd como última maravilha da reprodução sonora, efectuou um teste comparativo, entre o cd e o disco de vinil, utilizando discos de referência. A conclusão a que então chegaram os elementos do "painel", foi aquela que perdura: a sonoridade dos LP´s é mais suave e menos cansativa, na longa duração. O cd tem uma sonoridade mais "dura", projectada e de impacto imediato, mais espectacular, mas ainda assim, com reflexos no espectro sonoro. O som do LP, num gira-discos, com boa aparelhagem associada, ainda supera a sonoridade do cd.
Actualmente, com o advento do DVD-Audio e do SACD, tal asserção não é já evidente.
Comparando os sons de vinil do álbum de Neil Young, Harvest (1972); Hotel California, dos Eagles ( 1976) e este, dos Steely Dan, a conclusão a que se pode chegar é a de que para o LP chegar à sonoridade pacata e precisa do SACD, tem que juntar muitos milhares de euros em componentes esotéricos que passam pelas cabeças de leitura Koetsu, pratos da Linn Sondek, com o respectivo braço e amplificadores com prévios e demais ademanes custosos.
Não obstante, os discos em SACD e os DVD-Audio, não foram acolhidos como a salvação da indústria, numa época em que reina o mp3, subproduto áudio, com implantação segura nas camadas jovens que já nem compra música em disco, mas apenas faz downloads. Em mp3, por suposto e com taxas de compressão elevadas que retiram ao som a maravilha dos transitórios e da suavidade subtil das frequências altas misturadas com as mais baixas em tom audível e naturalmente separado.




Em finais de 1982, Donald Fagen, publicou o disco The Nightfly. A leitura das críticas positivas, ainda acompanhadas da audição dos discos ainda recentes dos Steely Dan, motivaram a compra do disco em LP, outra vez em edição espanhola, da Ariola, muito cuidada graficamente.

A música de The Nightfly, aparece diferente da dos LP´s do Dan, embora tocada por um naipe de músicos de estúdio e de jazz rock que nunca mais foram reunidos em disco pelo músico. Os discos seguintes, Kamakiriad, de 1993 e o último, Morph the Cat, de 2006, conservam um elo comum, no entanto: a alta qualidade da gravação e a sonoridade exemplar. State of the art. Mas...pouco mais.

Ao contrário, o mais recente opus dos Steely Dan, de 2003, intitulado Everything must go, é um portento sonoro, com músicas interessantes. Em DVD-Audio, pode considerar-se uma maravilha da técnica de gravação, ainda da responsabilidade do engenheiro Roger Nichols. A qualidade das composições deixa um pouco a desejar, relativamente aos álbuns Aja e Gaucho, mas ainda assim conserva uma identidade sonora que não existia no cd de 2000, dos S.Dan, Two against nature.

Imagens:

1.Publicidade ao disco, na Rolling Stone nº 335, de 22 Janeiro de 1981 ( a capa que ganhou o título de melhor capa de revista de sempre, nos USA, nos últimos 40 anos).

2. Capa do SACD, de 2003.

3. Capa de The Nightfly, tirada do site de Donald Fagen.

4. Apreciação crítica da gravação do disco, na revista High Fidelity, de Janeiro 1983.